As Claras 

“E você, já faz reaproveitamento?”: economia de água deve ser constante





3/7/2019

Rotina em casa, reaproveitamento de água virou provocação no Riacho Fundo I. O aposentado Celso Velasco fixou placa na frente de sua casa. | Foto: Renato Araújo / Agência Brasília

Quando o assunto é água, não tem como relaxar. Após o Distrito Federal superar a maior crise hídrica da história, o consumo dos brasilienses voltou a crescer. O volume usado de janeiro a abril de 2019 foi 10,1% mais elevado do que o gasto registrado no mesmo período do ano passado, quando a capital convivia com o racionamento que perdurou por um ano e cinco meses entre 2017 e 2018. De olho no futuro, é preciso tornar hábito atitudes como a do aposentado Celso Velasco, que reutiliza o que usa e incentiva ações semelhantes na vizinhança do Riacho Fundo I.

No portão de casa, o aviso é direto: “A água que utilizamos na lavagem diária desta casa é 100% reaproveitada. E você, já faz reaproveitamento?”. Militar da reserva, Celso Velasco tornou-se Microempreendedor Individual (MEI). Ele oferece serviços de banho e tosa a cachorros filhotes de seus quatro Schnauzers e precisa fazer limpeza da área todos os dias. Isso causava transtornos com vizinhos que criticavam o suposto gasto excessivo de água sem saber que tudo era reuso de máquina de lavar, banho e chuva.

Em dez anos no ramo, ele já teve três sistemas de reaproveitamento de água, desde um simples armazenamento em reservatório até um esquema envolvendo toda a residência com bomba submersa para ajudar a direcionar o líquido a uma mangueira específica. Por ali a maior parte é usada para limpeza do chão, especialmente. Ele garante que o equipamento com água disponibilizada pela Companhia de Abastecimento e Saneamento Básico (Caesb) raramente é ligado.

“Água é recurso limitado. Se a gente não tiver consciência de que ela pode acabar, vamos acabar com ela primeiro”, alerta o homem de 58 anos. “Por que jogar fora uma coisa que você pode reutilizar com vantagem? Da máquina de lavar, a água ainda sai com sabão e facilita limpeza. Eu acho ela especial, não deve ser desperdiçada”, acrescenta. O resultado está na conta mensal: a economia chega a 50%.

Economizar é preciso

Nem todo mundo mantém o hábito como Celso Velasco. De acordo com a Agência Reguladora de Águas (Adasa), o volume de água usado pelos brasilienses aumentou. Enquanto nos primeiros quatro meses de 2018 foram consumidos 46,3 bilhões de litros, em 2019 foram 51 bilhões. A quantidade é um pouco menor do que a registrada em 2016 (52,7 bilhões de litros), antes da crise hídrica que secou as torneiras dos brasilienses, obrigando-os a conviver com o racionamento.

O relatório de monitoramento do consumo de água constatou ainda que o aumento do uso foi a partir do segundo semestre de 2018, logo após o fim do racionamento. Segundo a Adasa, é a categoria residencial quem mais consome. No ano passado, o consumo per capita de água alcançou os 133 litros, contra 134 litros em 2017. A queda representa um índice de 0,9%. No comparativo entre os anos anteriores (2017 e 2016), a queda foi de 11,2%.

“Ficamos preocupados com esses resultados. Parece que esquecemos tudo o que vivemos, as boas práticas adotadas, e voltamos a achar que não há perigo e a água estará disponível o tempo inteiro”, alerta o diretor-presidente da Adasa, Paulo Salles. “Dependemos sempre do clima e o que estamos vendo são variações climáticas muito fortes em todo o mundo. Tivemos três anos de chuva abaixo da média histórica que resultaram na crise hídrica”, ressalta.

Parece que esquecemos tudo o que vivemos, as boas práticas adotadas, e voltamos a achar que não há perigo e a água estará disponível o tempo inteiro
Paulo Salles, diretor-presidente da Adasa
É agora, no período de seca, que a economia de água se torna ainda mais necessária. Embora os reservatórios estejam cheios, a projeção é que os níveis se aproximem da metade da capacidade até o fim do ano. As bacias do Descoberto e de Santa Maria fecharam junho com níveis acima das metas estabelecidas pela Adasa, que servem de parâmetro para monitoramento e manutenção da segurança hídrica no DF.

O Descoberto, que de acordo com projeções poderia atingir o volume útil de 92%, terminou o mês com 99,3%. O Santa Maria, que chegaria a 96%, de acordo com a meta, fechou com 99,9%. Historicamente, porém, o consumo tende a ser maior nos meses de agosto e setembro, quando a seca é mais intensa. Por isso, poupar é preciso.

“Não sabemos como vai ser a chuva no fim do ano. O IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas] não traz projeções animadoras, a chance de uma nova crise acontecer é concreta. Precisamos manter o ritmo que tínhamos no período crítico”, adverte Paulo Salles.

O investimento que se faz necessário é em segurança hídrica, que vai muito além de ter reservatório cheio. “Tem que ter consciência que não pode gastar a água a torto e direito, envolvimento de órgãos de governo, dos setores produtivos – agricultura, indústria, e serviço –, associações e, acima de tudo, a população. Temos lembrar o tempo todo que a água é um bem finito e aprender com o passado nada distante de escassez. É bom que a gente poupe na abundância do que ser obrigado a poupar por falta”, acrescenta.

Para isso, a Adasa lançou a campanha “Use, Reuse, Economize e Repita”, com uma ideia simples. “Use a água com muita responsabilidade. Reuse sempre que puder para poupar o máximo possível. Economize sempre: nada de torneira pingando ou aberta, ou lavar rua com mangueira. É um absurdo usar a melhor água que temos, que é entregue pela Caesb, para lavar carro. Depois repita tudo de novo”, orienta Salles.

Desconto na conta

O uso responsável da água nas residências também pode aliviar o bolso. Aqueles que economizaram na conta de água, de janeiro de 2017 a dezembro de 2018, têm recebido desconto na fatura desde o mês passado. A Caesb tem dado bônus-desconto de 20% para os usuários que conseguiram reduzir o consumo no período, apurado mês a mês e depois totalizado.

20%
É o desconto na conta para quem economizou
Ao todo, serão R$ 10.012.667,18 devolvidos pela Caesb em benefícios para a população, distribuídos entre 503.771 unidades em todo o Distrito Federal. Os clientes da Caesb com direito ao bônus receberam o comunicado com a conta do mês de maio. O valor concedido em 2019 refere-se, aproximadamente, a 62% do valor concedido no ano passado, que foi de R$ 16.183.841,10. As devoluções serão aplicadas nas faturas em única parcela e de acordo com 12 faixas de redução de consumo.

Fonte: JÉSSICA ANTUNES, DA AGÊNCIA BRASÍLIA


Comente esta notícia:

Comente esta notícia:

Nome:      E-mail: 

Comentário:





Últimas noticias