As Claras 

Corrupto é bandido e é um bandido extremamente perigoso





1/4/2019

Foto|: EBC

Meus caros leitores, já comentei neste espaço o editorial ou matéria da revista britânica The Economist, que, abastecida por uma visão distorcida de suas fontes aqui no Brasil, continua fabricando inverdades.

É evidente que o Presidente Jair Bolsonaro enfrenta problemas como todos no início de governo. Impossível ignorar que muitos vieram exatamente das circunstâncias em que se deu sua eleição com mais de 57 milhões de votos. Contra tudo e contra todos. Com tudo o que se viu praticado por colegas e veículos de comunicação.

Ou alguém ignora uma colega que se prestou à “boneca de ventríloquo”? E a facada, o gesto extremo para deter uma marcha que se completou com a eleição? Os sinais são palpáveis. Mas há quem ainda não se conforma.

Bem ou mal, o que se viu foi uma eleição dentro dos princípios democráticos onde se permite o uso abusivo de métodos não heterodoxos para vencer. Ou derrotar um adversário. Na semana passada o PT e seu candidato foram condenados por impulsionarem fakes. O que é isso se não a comprovação dois meios tentando justificar os fins? O Presidente Bolsonaro está em Israel e ontem assinou com o Primeiro Ministro Netanyahu protocolo para instalação de um escritório brasileiro em Jerusalém.

Não é o reconhecimento daquela cidade como capital. Não adianta distorcer. Escritório para investimentos em ciência,tecnologia e inovação. Israel apóia o ingresso do Brasil na OCDE.

The Economist terá que se dobrar ao fato de que tais atos não são para amadores. Os assessores e ministros, com algumas exceções talvez, são qualificados e estão fazendo o Brasil avançar. Os latidos e rosnar de dentes se salientam na medida em que o governo, novo e em aprendizado, comete seus equívocos. Mas anda. E vai se ajustando.

Num processo ainda em construção, o Brasil avançou consideravelmente no combate à corrupção estrutural e aos chamados crimes do “colarinho-branco”. “O Judiciário nos últimos tempos deixou de considerar que corrupção e criminalidade de colarinho-branco não eram crimes graves”. Pensou que corrupto, tinha a “ ideia de que corrupto não é bandido.

Corrupto é bandido e é um bandido extremamente perigoso, porque a corrupção mata na fila do SUS, na falta de medicamentos, nas vidas que não foram educadas adequadamente, nas estradas”. Transcrevi estas declarações do Ministro Luis Roberto Barroso para lembrar aos desavisados ou mal intencionados, que o Brasil, idenependente deles, está mudando. O sol nasce independente da vontade deles.

Felizmente.


Direto de Brasília,


Fonte: José Woitechumas


Comente esta notícia:

Comente esta notícia:

Nome:      E-mail: 

Comentário:





Últimas noticias