As Claras 

GOVERNO DO ESTADO SABIA QUE HAVERIA REBELIÃO QUE DEIXOU MAIS DE 60 MORTES EM MANAUS.





5/1/2017

Foto: EBC



Meus caros leitores, quanto mais se sabe da chacina no presídio de Manaus, mais causa indignação o descaso de autoridades estaduais com problemas graves de suas comarcas. O mínimo que se disse sobre o episódio degradante é que o governo ou as autoridades de Segurança do Estado, sabiam que haveria uma rebelião com fuga de presos.

Uma espécie de Parceria Público Privada testada para a gestão prisional no Amazonas se mostrou ineficiente, ineficaz e comprometedora. Não significando que este tipo de contrato não seja exeqüível. A forma como muitos fazem, com manobras que permitam desviar recursos públicos, é que é condenável. Como indício de que algo vai mal neste setor no Estado é que cada preso lá custa mais de 4 mil e 700 enquanto que em outros não chega a 3 mil. Algo cheira mal.

O Ministro da Justiça, Alexandre de Morais, fez um relato ontem a Presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmem Lúcia, destacando que não pode ser ignorada a responsabilidade do Estado neste episódio. Ainda hoje a Ministra vai a Manaus para conversar com os representantes da Justiça no Estado. Esta é uma das prioridades de Carmem Lúcia, anunciada pela própria, quando assumiu o cargo no STF, a questão prisional do país. Inclusive já esteve em alguns presídios verificando a precariedade da situação dos presos, as superlotações e principalmente a questão das presas grávidas que estão tendo seus filhos em condições degradantes.

O que ela pode fazer para ajudar a resolver este problema não está bem definido, mas já é meritório o fato de uma alta autoridade,principalmente do Judiciário, se interessar pelo problema. Não é novidade para ninguém o fato de que as prisões estão superlotadas por pobres, pretos e prostitutas. Ou, simplificando, quem não conta com dinheiro para pagar bons advogados e a constatação de que a Justiça Gratuita no país é uma utopia pois não existem funcionários nem juízes ou promotores suficientes para atender de forma ampla e irrestrita, a quem realmente precisa.

Também é inexplicável que o Judiciário aceite tantas medidas protelatórias e tenha certos pudores quando se trata de punir as raposas felpudas da nossa política e manter atrás das grades os criminosos do colarinho branco. E quando isto começa a acontecer, há uma verdadeira rebelião dos endinheirados que esperneiam e não limitam seus gastos na busca da impunidade. Daí resulta a admiração a Operação Lava Jato que abriu uma janela de claridade no intrincado processo de prisão de peixes graúdos.


Direto de Brasília,

Comentário político de José Woitechumas direto de Brasília. quinta-feira 06-11-2017


Fonte: José Woitechumas


Comente esta notícia:

Comente esta notícia:

Nome:      E-mail: 

Comentário:





Últimas noticias